Ensinar direito internacional no Brasil: panorama de uma prática e seus desafios

Adriane Sanctis de Brito, Salem Hikmat Nasser

Resumen


Este trabalho expõe os resultados de uma pesquisa exploratória sobre a prática de ensino do direito internacional, pela perspectiva de quem ensina nos cursos de graduação em direito no Brasil. Seu objetivo é jogar luz à diversidade das perspectivas dos docentes entrevistados e, ao mesmo tempo, apontar elementos comuns de fala que os conectam pela similitude de sua prática e de seus desafios. A primeira parte conta quem foram os docentes seleccionados na amostra de pesquisa, analisando brevemente seu perfil demográfico e sua formação. A segunda parte traça um quadro geral do ensino da disciplina a partir dos relatos desses docentes, mostrando os aspectos recorrentes dos métodos de ensino adotados e as justificativas dos professores para esas escolhas. A terceira parte enfoca os desafios nas narrativas dos docentes sobre como é ensinar direito internacional no Brasil, que vão desde problemas específicos da disciplina do direito internacional até a falta de infraestrutura em suas instituições.


Palabras clave


Direito internacional, educação superior, universidade, currículo de ensino, prática docente

Texto completo:

PDF

Referencias


American Society of International Law. (2004). Workshop on the Yeaching of International Law. Washington D.C.

Berman, P. S. (2005). Towards a Cosmopolitan Vision of Conflict of Laws: Redefining Governmental Interests in a Global Era. University of Pennsylvania Law Review. V. 153. N. 6, 1819-1882.

Bourdieu, P. (1988). Homo academicus. California: Stanford University Press.

Bourdieu, P.; Passeron, J-C. y De Saint Martin, M. (1996). Academic discourse: Linguistic misunderstanding and professorial power. California, Stanford University Press.

Brasil. Ministério da Educação (1994). Portaria N. 1886, 30 de dezembro.

Brito, A. Sanctis de e Klafke, G. Forma. O ensino de Direito Global entre o velho aluno e o novo professor. In Badin, M. Ratton Sanchez, Brito, A. Sanctis de e Ventura, D. de Freitas Lima. Direito global e suas alternativas metodológicas: primeiros passos. São Paulo: Acadêmica Livre, 2016, 177-205.

European Society of International Law. International Law as a Profession, 23-15 de maio de 2013.

Folha de São Paulo. Ranking Universitário Folha, 2013. Consulta em 23 de outubro de 2016.

Ghirardi, J. Garcez. (2012). O instante do encontro: questões fundamentais para o ensino jurídico. São Paulo: Fundação Getulio Vargas.

Hikmat Nasser, S. (2009). Imaginação e territoralidade: o ensino do direito internacional. In

Ghirardi, J. Garcez e Vanzella, R. Domingos Faiardo (org.). Ensino jurídico participativo: construção de programas e experiências didáticas. São Paulo: Saraiva, 129-138.

Hikmat Nasser, S. (2016). Uma dança de três: Direito Internacional, Relações Internacionaise Direito Comparado. In Badin, M. Ratton Sanchez, Brito, A. Sanctis de e Ventura, D. de Freitas Lima. Direito global e suas alternativas metodológicas: primeiros passos. São Paulo: Acadêmica Livre, 169-176.

Hoffmann, F. Teaching general public international law. In Kammerhofer, J. e D’Aspremont, J. (eds). International legal positivism in a post-modern world. Cambridge: Cambridge University Press, 349-377.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2013). Conceito Preliminar de Curso.

Ensinar direito internacional no Brasil: panorama de uma prática e seus desafios 135 Revista Derecho del Estado n.º 39, julio-diciembre de 2017, pp. 119-135

International Law Association. Conference Reports, Teaching International Law Committee 1998-2010.

Kennedy, D. (1985). International Legal Education. Harvard International Law Journal, Cambridge. V. 26, 361-384.

Koskenniemi, M. (2011). Between commitment and Cynism: Outline for a Theory of International Law as Practice. In Koskenniemi, M. The Politics of International Law. Portland: Hart, 271-293.

Núcleo de Metodologia de Ensino. Detalhamento regional da área de direito. Observatório do Ensino do Direito. V. 1. N. 1, outubro de 2013.

Ordem dos Advogados do Brasil. x Exame de Ordem Unificado. Consultado em 28 de outubro de 2016.

Santos, A. (2013). Carving Out Policy Autonomy for Developing Countries in the World Trade Organization: The Experience of Brazil. In Trubek, D. et al. (eds.). Law and New Developmental State: The Brazilian Experience in Latin American Context. Cambridge: University of Cabridge, 167-245.

Schachter, O. (1997). The Invisible College of International Lawyers. Northwestern Law Review. V. 72. N. 2, 217-226.

Simpson, G. (1999). On the magic mountain: Teaching Public International Law. European Journal of International Law. V. 10. N. 1, 70-92.

Société Française pour le Droit International. (1997). Enseignement du Droit International Recherche et Pratique: Journée d’Études du 20 Janvier 1996 Organisée sous les Auspices de L’unesco, Paris, Editions A. Pedone.

Unger, R. Magabeira. Uma nova faculdade de direito no Brasil, 2001. Consultado em 13 de outubro de 2012.




DOI: https://doi.org/10.18601/01229893.n39.06

Métricas de artículo

Vistas de resumen
a description of the source 200




Cargando métricas ...
Publicado: 2017-08-15 12:04:18

Copyright (c) 2017 Adriane Sanctis de Brito, Salem Hikmat Nasser

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.

Última actualización: Junio 2017