O ensino e a pesquisa em relações internacionais no Brasil – sentidos e desafios da decolonialidade

Main Article Content

Resumen

El objetivo del artículo es analizar en qué me­dida la perspectiva descolonial se refleja en la enseñanza y la investigación en el área de rela­ciones internacionales (RI) en Brasil. La prime­ra parte es conceptual y discute los significados de la decolonialidad y sus interfaces con el área de ri. Después, se presenta el análisis empírico, que utilizó documentos, datos y estudios rela­cionados con los cursos de grado y posgrado brasileños en esta área. Se destacaron avances iniciales con la inclusión de los debates sobre las relaciones étnico-raciales en los cursos de grado, la constitución de grupos de investiga­ción y la existencia de algunas (pocas) tesis de posdoctorado sobre el tema. Sin embargo, se encontraron varios desafíos importantes para que la decolonialidad se afirme como un eje relevante en los estudios brasileños de RI, entre ellos la pequeña inserción de estos contenidos en los planes de estudio de grado, la centrali­dad de las teorías centradas en el Estado y el racismo y la resistencia institucional.

Palabras clave:

Article Details

Licencia

Creative Commons License
Esta obra está bajo licencia internacional Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0.

Referencias

Alves, J. A. Lindgren. (2002). A Conferência de Durban contra o Racismo e a responsabilidade de todos. Revista Brasileira de Política Internacional, 45(2), 198-223. https://dx.doi.org/10.1590/S0034- 73292002000200009.

Ballestrin, L. (2013). América Latina e o Giro Decolo¬nial. Revista Brasileira de Ciência Política, no11. Brasília, maio - agosto de 2013, pp. 89-117.

Barrios, M. Á. (2007). El latino americanismo en el pen¬samiento político de Manuel Ugarte. Buenos Aires: Biblos Editorial.

Bernardino-Costa, J.; Maldonado-Torres, N.; Grosfo¬guel, R. (orgs.) (2019). Decolonialidade e pensa¬mento afrodiaspórico. bh: Editora Autêntica.

Brasil. (2019). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Relatório sín¬tese de área: Relações Internacionais (bacharelado). Brasília: Inep.

CAPES. (2019). Documento de Área. Área 39: Ciência Política e Relações Internacionais. Brasília: MEC-CAPES.

Carvalho, J. J. de (2019). Encontro de Saberes e des¬colonização: para uma refundação étnica, racial e epistêmica das universidades brasileiras. In: Bernardino-Costa, J.; Maldonado-Torres, N.; Grosfoguel, R. (orgs.) (2019). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. BH: Editora Autêntica.

Collins, P. H. (2019). Epistemologia Feminista Negra. In: Bernardino-Costa, J.; Maldonado-Torres, N.; Grosfoguel, R. (orgs.) (2019). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. bh: Editora Autêntica.

Damatta, R. (1996). Notas sobre o racismo à brasileira. In: Souza, J. (org.). Multiculturalismo e racismo: o papel da ação afirmativa nos Estados democráticos contemporâneos (pp.69-74). Ministério da Justiça.

Escobar, A. (2003). Mundos y conocimientos de otro modo: El programa de investigación de moder¬nidad/colonialidad latino-americano. Tabula Rasa. Bogotá - Colombia, No. 1: 51-86, enero-diciembre.

Feres Júnior, J.; Daflon, V.; Ramos, P.; Miguel; L. (2003). O impacto da Lei nº 12.711 sobre as universida¬des federais. Levantamento das políticas de ação afirmativa (GEMAA) pp.1-34. IESP-UERJ.

Gomes, N. L. (2005). Alguns Termos e Conceitos Presentes no Debate sobre Relações Raciais no Brasil: Uma Breve Discussão. In: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continua¬da, Alfabetização e Diversidade (ed.). Educação Anti-racista: Caminhos Abertos pela Lei Federal 10639/03 (pp. 39-62). MEC/SECAD.

Grosfoguel, R. (2019). Para uma visão decolonial da crise civilizatória e dos paradigmas da esquerda ocidentalizada. In: Bernardino-Costa, J.; Maldo¬nado-Torres, N.; Grosfoguel, R. (orgs.) (2019). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. BH: Editora Autêntica.

Guimarães, A. S. A. (2005). Racismo e Anti-Racismo no Brasil. Editora 34.

Hasenbalg, C. (1992). Relações raciais no Brasil. Rio Fundo.

Hasenbalg, C. (2005). Discriminação e Desigualdades Raciais no Brasil. Ed. UFMG/Ed. IUPERJ.

Ianni, O. (2004). Dialética das Relações Raciais. Estu¬dos Avançados, 18 (50), 21-30. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142004000100002.

Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais. s/d. Cursos de Relações Internacionais. Dispo¬nível em [http://www.funag.gov.br/ipri/index. php/cursos-de-relacoes-internacionais]. Acesso em: 28 dez. 2019.

Julião, T. S. (2012). A graduação em Relações Interna¬cionais no Brasil. Revista Monções, Vol. 1, n. 1, Jul/Dez 2012.

Kristensen, P. M. (2015). Rising Powers in the Internatio¬nal Relations Discipline: Sociological Inquiries into a Dividing Discipline and a Quest for Non-Western Theory. PhD Thesis, Faculty of Social Sciences, University of Copenhagen.

Maldonado-Torres, N. (2019). Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: Bernardino-Costa, J.; Maldonado-Torres, N.; Grosfoguel, R. (orgs.) (2019). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. bh: Editora Autêntica.

Mignolo, W. (2005). A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: Lander, E. (Org.). A colonia¬lidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas (p. 71-103). Clacso.

Mignolo, W. (2010). Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Argentina: Edi¬ciones del Signo.

Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. s/d. Resolução Nº 1, de 17 de junho de 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educ. das Rel. Étni¬co-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/res012004.pdf. Acesso em: 28 dez. 2019.

Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Su¬perior. s/d. Resolução N º 4, de 4 de Ou¬tubro de 2017. Institui as Diretrizes Curri¬culares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais, bacharelado, e dá outras providências. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_ docman&view=download&alias=73651-rces004-17-pdf&category_slug=outubro-2017- pdf&Itemid=30192 < Acesso em: 28 dez. 2019.

Miyamoto, S. (2003). O ensino das relações internacio¬nais no Brasil: problemas e perspectivas. Revista de Sociologia e Política, (20), 103-114. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782003000100009.

Monteiro, R. B. (2010). A Educação para as Relações Étnico-Raciais em um Curso de Pedagogia: Um Estudo de Caso sobre a Implantação da Resolução ces/cp 01/2004. Tese de Doutorado. Universidade Federal de São Carlos – UFSCAR, Mimeo.

Oliveira, L. F. de & Candau, V. M. F. (2010). Pe¬dagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, 26(1), 15-40. https://dx.doi.org/10.1590/S0102- 46982010000100002

Oyewùmí, O. (2019). Conceitualizando gênero: a fundação eurocêntrica de conceitos feministas e o desafio das epistemologias africanas. In: Bernardino-Costa, J.; Maldonado-Torres, N.; Grosfoguel, R. (orgs.) (2019). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. BH: Editora Autêntica.

Tickner, A. B.; Cepeda, C. y Bernal, J. L. (2013). En¬señanza, investigación y política internacional (TRIP) en América Latina. BJIR, 2(1), 6-47.

Wallerstein, I. (2005). After developmentalism and globalization, what? Red Theomai, Universidad de Quilmes, Argentina. Disponível em: [http://site.ebrary.com/id/10109563?ppg=2].

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.