Uma reflexão sobre a qualificação na formação em turismo: relevancia da micro e pequena empresa para o destino turístico

Main Article Content

Autores

Thiago Duarte Pimentel
Sara Conceição de Paula
Marcela Costa Bifano de Oliveira

Resumen

Este artigo visa identificar os principais desafíos e tendências de qualificação e formação do turismólogo, bem como sua inserção profissional no contexto de um destino turístico (DT) majoritariamente formado por Micro e Pequenas Empresas (MPE’S). Com base na literatura especializada sobre MPE e sobre qualificação profissional em turismo, realizou-se uma pesquisa quali-quantitativa de cunho exploratório aplicado aos responsáveis pela contratação das organizações ligadas às Atividades Características do Turismo – ACTS. Após pesquisa bibliográfica e análise de dados secundários, a coleta foi baseada na técnica de amostragem particionada optando pelas organizações de maior representatividade do setor. Os resultados indicam, por um lado, que as mpes representam 92 % do trade turístico e, de outro, que é baixíssimo o índice de contração de pessoal qualificado em turismo, o que tende a impactar na capacidade e qualidade de elaboração de produtos turísticos. Ademais, identificou-se significativo desconhecimento das funções do turismólogo por parte das MPE’S e um despreparo deste em apresentar habilidades e competências aplicáveis a elas. Assim, conclui-se que há duplo desafio, estrutural e sistêmico, no sentido de qualificar as MPE’S, mas estas, por sua vez, precisam das habilidades e competências dos turismólogos, que todavia não estão plenamente desenvolvidas. 

Palabras clave:

Article Details

Referencias

Airey, D. (2008). Crescimento e desenvolvimento, em Educação Internacional em Turismo (org) Airey e Tribe. São Paulo: SENAC.

Alencar, E. (1999). Introdução à metodologia de pesquisa social. Lavras, mg: UFLA/FAEPE.

Ansarah, M. G. R. (2001). Turismo: Como aprender, como ensinar. São Paulo: SENAC.

Castor, V. J. (2009). Estratégias para a Pequena e Média Empresa. São Paulo: Atlas.

Daher, D. M., & Mineiro, A. A. C., & Damasco, J., & Boas, A. A. V. (2012). As micro e pequeñas empresas e a responsabilidade social: uma conexão a ser consolidada. Anais del ix Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia (SEGET), 1-15.

Figueiró Degrazia, C. (2006). Cursos Superiores de Turismo na economia do Conhecimento: posicionamento estratégico de um curso de turismo no Rio Grande do Sul (Mestrado dissertação). Universidade de Caxias do Sul, Brasil.

Ésther, A. B., Melo, M. C. O. L. (2006). Pequenas empresas, grandes gerentes: dilemas e desafíos dos gerentes das empresas de pequeno porte. En A. B. Ésther, E. Paço-Cunha, & M. T. Sanábio

(ORGS.). (2006). Pequenas empresas: reflexões e perspectivas de ação (Cap. ix, pp. 185-217). Juiz de Fora: EDUFJF.

Gil, A. C. (2008). Métodos Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas.

Hoerner, J., & Sicart, C. (2003). La Science Du Tourisme : Précis Franco-Anglais De Tourismologie / The Science of Tourism. An Anglo-French Precis on Tourismology. Baixas: Balzac Ed.

Hong, W. C. (2008). Competitiveness in the Tourism Sector. A comprehensive Approach from Economic and Management Points. Heidelberg: Physica-Verlag.

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. (2011). Posição Ocupada Pelos 100 Maiores Municípios, Em Relação Ao Produto Interno Bruto A Preços Correntes E Participações Percentuais Relativa E Acumulada, Segundo Os Municípios E As Respectivas Unidades Da Federação. Brasil: IBGE.

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. (2014). Cidades. Juiz De Fora 2013. Disponível em http://Cidades.Ibge.Gov.Br/

Ivars Baidal, J. (2003). Planificación turística de los espacios regionales en España. Valencia: Agencia Valenciana de Turismo y Editorial Síntesis.

Kotler, P., & Armstrong, G. (2012). Principios de Marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Leal, S., & Padilha, M. A. (2008). Brasil e América Latina, em Educação Internacional em Turismo (org) Airey e Tribe. São Paulo: SENAC.

Masetto, M. T. (2003). Competências pedadógico do professor universitario. São Paulo: Summus.

Ministério Do Turismo. (2011). Documento Referencial Turismo No Brasil 2011-2014. Disponível em http://goo.gl/jzCg8E

Mota, K. M. (2007). Formação Superior em Turismo na Unifor/ce: Proposta, realidade e reflexo (Mestrado dissertação). Universidade de Caxias do Sul, Brasil.

Observatorio De Las Ocupaciones. (2009). Características sociodemográficas y perfiles competenciales de los trabajadores del sector turismo. Madrid: Servicio Público de Empleo Estatal.

Observatório De Turismo De Minas Gerais. (2012). Síntese dos destinos indutores. Disponível em http://goo.gl/RPcwKf

Oliveira, A. G., & Oliveira, G. B. (2006). Um estudo sobre a contribuição das micro e pequenas empresas na geração de emprego e renda brasileira. Revista fae, (9)1, 95-105.

Oliveira, G. B. (2002). Uma discussão sobre o conceito de desenvolvimento. Revista fae, (5)2, 41-48.

OMT. (2010). Panorama omt del Turismo Internacional. Madrid: OMT.

Pimentel, T. D. (2013). Formação Superior e Mercado de Trabalho em Turismo. Relatório Final de Pesquisa. Universidade Federal de Juiz de Fora/ufjf e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico/cnpq, Universidade Federal de Juiz de Fora/ufjf, Pró-Reitoria de Pesquisa/propesq, Juiz de Fora.

Pimentel Duarte, T., & Conceição de Paula, S. (2014a). A inserção profissional no mercado de trabalho face às habilidades adquiridas na formação superior em turismo. Revista de Turismo Contemporâneo rtc, 2(1), 49-73. Recuperado de http://www.periodicos.ufrn.br/turismocontemporaneo/article/view/5474/4454

Pimentel Duarte, T., & Conceição de Paula, S. (2014b). Autodiagnose da Formação Superior e Qualificação Profissional em Turismo: pistas para uma (necessária) reorientação? Revista Turismo & Desenvolvimento, 1, (21/22), 275-285.

Pimentel Duarte, T., & Conceição de Paula, S. (2014c). Desenvolvimento de um protocolo de avaliação do desempenho de recursos humanos em instituições de ensino superior/ies: notas para a gestão acadêmica a partir do caso do Curso de Turismo/ufjf - Brasil. Revista Gestao Universitaria na America Latina - gual, 7(2), 243-265. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1983-4535.2014v7n2p243

Pimentel Duarte, T., & Conceição de Paula, S. (2014d). Divergência de Visões e Expectativas entre os Atores sobre a Formação Profissional e o Mercado de Trabalho em Turismo: implicações para identidade profissional e empregabilidade. Libro de actas vi Congreso Latinoamericano de Investigación Turística clait (vol. 1, pp. 1-22). Neuquén, Patagonia, Argentina: educo - Universidad Nacional del Comahue. Recuperado de http://170.210.83.98:8080/jspui/bitstream/123456789/545/1/157 %20Duarte%20Pimentel. %20Paula.pdfç

Prefeitura Municipal de Juiz de Fora. (2000). Plano Estratégico de Juiz de Fora. Juiz de Fora: Autor.

Prefeitura Municipal de Juiz de Fora. (2004a). Plano Municipal de Turismo. Departamento de Desenvolvimento Econômico. Juiz de Fora: Autor.

Prefeitura Municipal de Juiz de Fora. (2004b). Plano Estratégico Setorial do Turismo de Juiz de Fora. Juiz de Fora: Autor.

Quintero Santos, J. L. (2014). Sectores económicos del cantón Playas: sus vínculos con el turismo. Revista Anais Brasileiros de Estudos Turísticos (ABET), 4(2), 32-42.

Ruschmann, D. (2002). Turismo no Brasil: análise e tendências. Barueri – SP: Manole.

Sebrae. (2013). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa. Brasília: dieese.

Slack, N., Chambers, S., & Johnston, R. (2009). Administração Da Produção. São Paulo: Atlas.

Spínola, A. S. (2007). Os pequenos negócios, a informalidade e suas perspectivas. Revista Sebrae, 20, 40-43.

Vieira, M. L. (2007). A contribuição das micro e pequenas empresas para a redução da pobreza no Brasil (Mestrado dissertação). Universidade Federal do Ceará, Brasil.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Artículos más leídos del mismo autor/a